Rinoplastia

Plástica do nariz

A face é a parte mais exposta do corpo e bem em seu centro está o nariz. Se não houver harmonia entre o nariz e a face em virtude de uma malformação ou defeito, o nariz torna-se o centro de nossa atenção, mesmo que o defeito seja mínimo. Tudo o que se vê diante de um espelho é somente aquele defeito, que acaba aborrecendo e diminuindo a auto-estima da pessoa. A solução seria a cirurgia estética do nariz ou rinoplastia.

A rinoplastia é o procedimento cirúrgico que visa melhorar a aparência do nariz. A correção cirúrgica e a remodelagem do nariz são feitos para se obter um resultado estético e natural, em proporção com as demais estruturas da face. O progresso feito na área da rinoplastia tornou possível corrigir quase todos os tipos de deformidades e malformações. A rinoplastia estética pode ser realizada logo que tenha terminado o crescimento ósseo do nariz, por volta dos 17 anos.

O Nariz

O nariz é um órgão complexo no que diz respeito às suas funções e estruturas. Ele é constituído de ossos, cartilagens, mucosa e pele.

Situado no meio da face, o nariz é frequentemente um indicador de nosso caráter e personalidade. Por suas características ele pode ter atributos de beleza, sensualidade ou autoridade. Por outro lado pode evocar sentimento de desgosto, ridiculo ou feiúra.

A rinoplastia pode corrigir um grande número de problemas relacionados ao nariz, independentemente de sua natureza. Por exemplo: nariz muito grande ou pequeno em relação aos componentes da face; giba proeminente ao ser visto de perfil; ponta globosa e caída ou muito elevada; narinas muito alargadas e várias outras deformidades.

O nariz tem como funções fisiológicas a respiração e a olfação. A rinoplastia pode auxiliar em casos de problemas respiratórios. A obstrução nasal pode ocorrer por várias razões: desvio do septo; hipertrofia dos cornetos nasais;obstrução das válvulas internas; presença de tumor benígno ou malígno e outros.

A Intervenção Cirúrgica

O exame da face e do nariz permite determinar a melhor técnica cirúrgica, uma vez que a cirurgia depende da inter-relação entre eles. Vários fatores entram em jogo tendo em vista a obtenção de melhor resultado como: estrutura óssea e cartilaginosa do nariz; formato da face; qualidade da pele; traços de caráter e personalidade; idade; grupo étnico e outros.

Observando-se a extrema complexidade que representa a remodelagem de tão pequeno órgão, pode-se dizer que a rinoplastia é um dos procedimentos estéticos mais difíceis.

Antes

Depois

A rinoplastia pode ser realizada por via interna, a mais usual, e por via externa. A escolha da técnica depende do tipo e do grau da deformidade a ser corrigida. A via interna ou endorinoplastia não deixa cicatrizes visíveis. A externa ou exorinoplastia é destinada para casos em que existe um acentuado desvio do septo, deformidade grave de origem congênita ou da ponta nasal, reoperações em casos difíceis e outros. Tem a desvantagem de deixar uma cicatriz às vezes visível na parte inferior do nariz.

Terminada a cirurgia, são colocados tampões nas narinas ou modeladores nasais para reduzir o sangramento, e um curativo imobilizador externo de gesso ou plástico, que são retirados após 2 dias. A cirurgia dura cerca de 1 hora e 45 minutos e pode ser feita com anestesia geral ou local, sendo neste último caso associada à sedação.

Técnicas Cirúrgicas

PONTA NASAL

Esta pode ser abordada de várias maneiras para tratar, por exemplo, ponta bulbosa (ponta grossa, ponta que cai ao rir e falar) , ponta alta, caída, bífida (cartilagens separadas), a que sofre alteração pela ação da musculatura nasal; assim que para cada alteração existe uma técnica a ser utilizada. Estas abordagens são sempre realizadas com acessos internos.

TRATAMENTO DO DORSO

Num nariz alto, com giba óssea ou cartilaginosa há necessidade de tratar o excesso de altura do nariz, que pode ser removida sem maiores dificuldades. Utiliza-se lâminas e raspas diamantadas especiais para diminuir tanto a porção óssea como a cartilagem do dorso.

O objetivo do tratamento do dorso é corrigir as estruturas em excesso, respeitando a válvula e a integridade do revestimento mucoso do dorso nasal.

DORSO BAIXO

Aqui pode-se tratar de um nariz com pouca projeção, e por vezes de um traumatismo provocando um nariz assim chamado em sela. Neste caso há necessidade de acrescentar substâncias para o seu aumento.

Dá-se preferência para o material removido do septo nasal ou cartilagem auricular, que são similares às estruturas do nariz.

CORREÇÃO DO SEPTO

No planejamento cirúrgico, durante a plástica do nariz o cirurgião estabelece a necessidade de corrigir um desvio de septo. Geralmente o paciente chega com a queixa de que respira mal.Deve-se estabelecer o nível de desvio através de exames complementares, para o planejamento cirúrgico.

Há desvios de septo que não dão sintomas, mas em geral devem ser corrigidos, pois ao diminuirmos o nariz e este ficar mais dentro das proporções, mesmo um pequeno desvio, chama atenção no pós-operatório podendo apresentar problemas funcionais se o septo não foi corrigido. Quando o desvio é muito importante, o tamponamento poderá permanecer por mais de 24 horas. Em alguns casos é necessária a colocação de uma lâmina de silicone para que o septo permaneça bem posicionado.

OSTEOTOMIA NASAL

Na entrevista, o paciente em geral indaga: vai ser necessário quebrar o nariz?

Normalmente o cirurgião tem a resposta em mente, pois um nariz com base larga muitas vezes necessita uma aproximação dos ossos nasais à linha média para dar uma melhor harmonia à face. Também, pode relatar a dificuldade no uso de óculos. Mas há casos em que indicamos uma osteotomia e em outros em que está contra-indicado; assim que há necessidade de fazer um diagnóstico correto e discutir com o paciente a melhor forma de conduzir o procedimento.

A fratura dos ossos nasais promove um maior edema no pós-operatório. O acesso para a osteotomia é na porção interna das fossas nasais, sem cicatriz aparente.

ASAS NASAIS

Existe uma grande variedade de alterações nesta área do nariz. Deve-se discutir com o paciente os detalhes deste procedimento, pois é o único local em que fica uma cicatriz aparente. Felizmente a grande maioria dos pacientes apresentam boa cicatrização nesta área. Normalmente é o ultimo procedimento da rinoplastia. Tem-se, neste momento, o nariz totalmente corrigido e este detalhe ao final da intervenção dará o acabamento nos narizes que necessitam correção nesta área.

REFINAMENTO DA PONTA DO NARIZ

A ponta do nariz é um segmento que necessita de uma abordagem acurada para obtermos um resultado adequado.

Há casos em que o nariz é bulboso, com pele grossa, apresentando glândulas em excesso. Neste caso devemos remover o excesso de tecido para adequarmos a ponta do novo nariz criado. Em outros casos, as cartilagens apresentam-se separadas e devemos uni-las para obter uma ponta com boa projeção. No entanto,há um grande número de casos que necessitamos colocar um enxerto de cartilagem na ponta para obter um ângulo nasal adequado e gracioso.

Na dinâmica facial também devemos avaliar o músculo que deprime a ponta, chamado de depressor da ponta.

Esta área do nariz mostra toda a complexidade que é a cirurgia estética nasal.

ENCURTAMENTO NASAL

Ao final da intervenção analisa-se os excessos de mucosa e o comprimento do nariz.

O encurtamento é conseguido com a atuação sobre os excessos de mucosa sobre a ação dos músculos e o septo nasal. Esta manobra permite um melhor posicionamento da ponta em relação ao dorso com um ângulo nasolabial adequado.

Na rinoplastia do nariz senil é neste setor que o cirurgião mais atua para devolver ao paciente uma melhor função respiratória e um perfil facial jovial em harmonia com sua face.

Questões Importantes

A RINOPLASTIA DEIXA CICATRIZES?

Geralmente não. Em alguns casos existem cicatrizes pouco aparentes; isto decorre do fato das incisões (cortes) serem feitas “dentro do nariz” ou nos sulcos e conseqüentemente não deixam vestígios aparentes. Em casos especiais, quando as asas nasais são tratadas, existem duas pequenas cicatrizes nos sulcos entre as asas e a face

PODEREI ESCOLHER, PARA O MEU FUTURO NARIZ, A FORMA QUE EU DESEJAR?

Não. Existe um equilíbrio estético entre o nariz e a face, equilíbrio este que o cirurgião deve observar, a fim de preservar a naturalidade e autenticidade dessa face. Cada caso é estudado minuciosamente, a fim de que se possa dar ao nariz a melhor forma possível, dentro das exigências da face. Se a sua escolha coincidir com aquele tipo de nariz planejado, sem dúvida seu desejo será atendido.

O RESULTADO DEFINITIVO DA “NOVA FORMA” É IMEDIATO?

Não. Várias fases são características do pós-operatório do nariz. Assim é que, numa 1ª fase (logo após a retirada do curativo rígido em torno o 7º dia), apesar de corrigidos vários defeitos estéticos do nariz original, notamos um edema (inchaço) que vai diminuindo com o passar dos dias e que tende a desaparecer totalmente em torno do 6º mês. Existem pacientes que atingem o resultado definitivo um pouco antes, bem como outros que raramente ultrapassam este período. A persistência ou não do edema transitório por um período mais longo que o normal geralmente não interfere no resultado final

COMO FICARÁ MINHA RESPIRAÇÃO APÓS A CIRURGIA?

A Rinoplastia estética visa, também, melhorar as condições respiratórias do paciente, quando estas condições são precárias no nariz original. Apesar de haver alguma dificuldade no pós-operatório mediato (algumas semanas), isto se deve ao fato do “edema” também existir na parte interna do nariz, assim como o movimento de “válvula respiratória” fica prejudicado nesse período, por alteração da elasticidade das asas. Com o decorrer do tempo tende a normalizar-se. Problemas respiratórios geralmente são ligados ao septo que, em muitos casos, é corrigido no mesmo tempo cirúrgico. Quando a correção demanda cuidados especiais, a cirurgia estética deverá ser feita numa segunda oportunidade, após ter sido corrigido o septo pelo especialista

A CIRURGIA ESTÉTICA DO NARIZ É CONSIDERADA COMO “PEQUENA” ou “MÉDIA” CIRURGIA? E AS COMPLICAÇÕES?

Raramente a Rinoplastia determina sérias complicações. Entretanto, sendo um procedimento cirúrgico, ocasionalmente poderão ocorrer imprevistos na evolução. Felizmente, esses eventuais imprevistos são passíveis de correções posteriores, mediante “retoques”, permitindo-nos obter o resultado almejado. Os possíveis “imprevistos” não devem ser confundidos com as formas intermediárias pelas quais passa o nariz, no pós-operatório mediato, até que atinja sua forma definitiva. Quaisquer dúvidas a respeito de uma possível complicação pós-operatória serão esclarecidas pela nossa equipe, que se antecipará a informá-lo (a) a respeito disto, sem qualquer constrangimento.

SÃO UTILIZADOS CURATIVOS? QUANTOS?

Após terminar a cirurgia, o nariz é mantido imobilizado com gesso ou placa plástica, que o recobre totalmente. Esse curativo permanece por cerca de 7 a 8 dias, período após o qual é retirado no consultório. Em alguns casos utilizamos o tamponamento nasal, que é deixado por 24 a 48 horas. Após este período é realizado um curativo com micropore diretamente na pele para moldá-lo por cerca de 1 semana com aquaplast.

OUVI DIZER QUE O NARIZ “SANGRA” NOS PRIMEIROS DIAS. ISTO É VERDADE?

Existe um pequeno sangramento através do tamponamento de gaze ou através do modelador nasal, que é normal nas primeiras 48 horas. Isto, entretanto, não deverá ser motivo de preocupação, pois um curativo de proteção, sobreposto a abertura do nariz, é conservado propositadamente, a fim de aparar esse sangramento. Esse curativo adicional poderá ser trocado em casa, tantas vezes quanto necessário.

HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO?

Raramente. A cirurgia estética do nariz apresenta pós-operatório indolor. Quando ocorrer uma eventual dor, esta é facilmente combatida com analgésicos, que lhe serão receitados como preventivos.

HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO?

Raramente uma cirurgia de rinoplastia determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que uma viagem de avião ou automóvel, ou mesmo um simples atravessar de via publica.

QUANDO PODEREI TOMAR SOL?

Geralmente após o 3º dia pós-operatório, não existe qualquer inconveniente em se expor ao eventual sol da rua. Entretanto, para exposições longas (praias, banhos de sol), aconselha-se aguardar um período mínimo de 45 a 60 dias.

QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRIA?

Você não deve se esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, diversas fases evolutivas são características deste tipo de cirurgia. Assim é que edemas (inchação), “manchas” de infiltrado sanguíneo, dificuldade respiratória nos primeiros dias, são comuns a todos pacientes; evidentemente, alguns apresentam estes fenômenos com menor intensidade que outros. Esperamos que você esteja neste grupo. Caso não esteja, não se preocupe. Dê tempo, que seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos que, infalivelmente, chamarão a atenção e alguma pessoa estranha que não lhe poupará a pergunta: “… algo de errado não estará acontecendo?”. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida a nossa equipe. Em tempo: geralmente existe um período de euforia, logo que se retira o gesso (7º dia). Em raros casos, uma discreta ansiedade advém, em decorrência do aspecto transitório do edema e das manchas sanguíneas. Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Tenha paciência. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia estética do nariz deverá ser avaliado antes do 6º mês pós-operatório.